Imprimir Notícias

Panificação quer ampliar consumo - Postada em 16-04-2012 às 06:32:36


O consumo cearense de panificados é de 27 quilos per capita por ano, sete quilos a menos que a média brasileira

 


O setor de Panificação emprega hoje no Ceará cerca de 32 mil pessoas, mas a quantidade de empregos gerados poderia ser bem maior caso o consumo de panificados do Estado fosse ampliado e alcançasse o patamar da média brasileira. De acordo com o presidente do Sindicato das Indústrias de Panificação e Confeitaria no Estado do Ceará - Sindpan, Lauro Martins, o consumo de panificados no estado gira em torno de 27 quilos per capita por ano, enquanto a média brasileira é de 34 quilos per capita por ano.



A fim de alavancar o consumo de panificados no Ceará e de buscar soluções para outros gargalos que também impedem a expansão de setores de massas, biscoitos e de trigo em geral, o governo do estado instalou ontem a Câmara Setorial do Trigo, que abrangerá, na cadeia produtiva, segmentos como moinhos, fábricas de biscoitos e massas, panificadoras, confeitarias, pizzarias e fornecedores. "A Câmara Setorial do Trigo surgiu a partir da necessidade de integrar as empresas do setor de e discutir soluções para os gargalos que os diferentes segmentos enfrentam no Estado", destaca o presidente da Câmara Setorial e do Sindicato das Indústrias do Trigo do Ceará - Sindtrigo, Cláudio Fontenele.



Conforme o presidente da Câmara, uma das primeiras ações da Câmara Setorial do Trigo será a criação de um selo de qualidade para os produtos panificados, garantindo ao consumidor que aquele produto que possui o selo atende às boas práticas de produção. "Essa é uma forma de conferir maior competitividade às empresas do setor", afirma.



Polo moageiro


Segundo o presidente da Federação das Indústrias do Ceará - Fiec e empresário do setor, Roberto Macedo, o Ceará é hoje o segundo maior polo moageiro do País, atrás apenas de São Paulo. "Isso faz com que o setor mereça uma atenção maior. O Rio Grande do Sul, por exemplo, possui 90 moinhos, mas a quantidade moída é menor, pois são moinhos pequenos", afirma, acrescentando que, atualmente, os principais gargalos do setor de trigo são a burocracia e a carga tributária. "Quando o trigo entra no porto, ele já paga impostos, antes mesmo de ser moído. Então, o panificador, ao comprar o trigo, ele já paga os impostos do pão que ele ainda vai fazer", diz.


O Ceará também é o segundo maior importador de trigo, conforme o Sindtrigo. Por ano, o Estado importa cerca de 950 mil toneladas de trigo.


 

Fonte: Site Diário do Nordeste

 


 

 

Recomendar para amigo

Últimas matérias Data
Curso de Transferência de Tecnologia para Padeiros e Confeiteiro 11-04-2014 às 15:11:17
II Seminário Alemão com Foco na Melhoria da Qualidade do Pão Brasileiro 24-03-2014 às 14:57:07
Seminários em MG 05-03-2014 às 16:00:12
Fennopan 2014 05-03-2014 às 15:35:29
Formando equipes de alta performance 05-03-2014 às 14:29:56
Faturamento de padarias e confeitarias brasileiras cresceu 8,7% em 2013 05-03-2014 às 14:03:37
Seminário Gestão de Cafeteria, promovido em Brasília, conta com palestra da Fleischmann 21-02-2014 às 09:09:35
Propan capacita Núcleo de Panificação e Confeitaria 18-02-2014 às 16:06:42
Pão da Serra recebe prêmio Baker Top 2013 04-12-2013 às 11:56:36
Curso Intensivo Metodologia Propan é realizado em Belo Horizonte/MG 04-12-2013 às 11:11:49
Próxima  >> [1]   2  3  4  5  6  7  8  9  10 

Tamanho da fonte:



Pesquisa Virtual

O que chama a sua atenção nas feiras do setor?

Palestras

Oficinas

Clínicas tecnológicas

Visitas técnicas

Debates

Votar | Ver resultados


Destaques